• Categorias

  • "Transbordando sentimentos puros em palavras"

    Posts arquivados em: Ano: 2016

    OutrosPoesia

    Amnésia de Amor

    dezembro 29, 2016 • Honorato, Sandro
    Amnésia de Amor

       Perguntei a muitas pessoas ao meu redor estes dias o que fazer. E, caralho, os conselhos, dicas, esporros e histórias que recebi são dignas de se colocarem no meu primeiro livro.
    Falei que pedi conselhos, não que vou segui-los.
    Porque em matéria de amor eu fui reprovado nos últimos 24 anos.
    Droga! 
    Eu escrevo tanto sobre isso e quando eu encontro a garota que fez enxergar-me em meus próprios versos eu não tenho a chance e nem a coragem de dizer isso na cara dela. (tentei te ligar estes dias, você viu?) 

       Eu sei que este é um sentimento diferente.
       Diferente porque não houve uma única vez que não acordei sorrindo depois de uma noite na qual eu sonhei com você.
       Diferente porque eu nunca escrevi tanto em minha vida. Qualquer palavra ou situação por mais singela que seja me faz lembrar-me de ti
       Eu sei que é diferente, pois nunca quis tanto a presença de alguém como eu desejo a sua. Desejaria te ver semana passada, desejei ontem, desejo hoje e amanhã e depois de amanhã… Quero um pouco de ti todo dia!
       Diferente porque nunca havia sentido isso antes. Ciúmes. Só de ouvir teu nome em bocas estranhas eu já sinto isto.
       Diferente porque nunca vi uma garota com coração tão dócil domar as feras em mim com tamanha facilidade.
       É diferente porque eu nunca senti que o mundo todo me abraçava quando eu recebia o teu abraço.

       É diferente, porque os médicos por ai me diagnosticariam com amnésia, visto que a falta de lembranças assim não seria normal.
    Ainda assim prefiro acreditar que é algo diferente e, ao mesmo tempo, lindo crescendo aqui dentro de mim.
    Eu prefiro me automedicar com o fogo desta paixão.

    “Se isso não é amor, o que mais pode ser?”

    28.12.2016

    AUTOR:
    HONORATO, Sandro.

    OBS.:  Apenas espero que você possa ler isso….

    Veja também esses posts relacionados:

    OutrosPoesia

    Amnésia de Amor

    dezembro 29, 2016 • Honorato, Sandro
    Amnésia de Amor

       Perguntei a muitas pessoas ao meu redor estes dias o que fazer. E, caralho, os conselhos, dicas, esporros e histórias que recebi são dignas de se colocarem no meu primeiro livro.
    Falei que pedi conselhos, não que vou segui-los.
    Porque em matéria de amor eu fui reprovado nos últimos 24 anos.
    Droga! 
    Eu escrevo tanto sobre isso e quando eu encontro a garota que fez enxergar-me em meus próprios versos eu não tenho a chance e nem a coragem de dizer isso na cara dela. (tentei te ligar estes dias, você viu?) 

       Eu sei que este é um sentimento diferente.
       Diferente porque não houve uma única vez que não acordei sorrindo depois de uma noite na qual eu sonhei com você.
       Diferente porque eu nunca escrevi tanto em minha vida. Qualquer palavra ou situação por mais singela que seja me faz lembrar-me de ti
       Eu sei que é diferente, pois nunca quis tanto a presença de alguém como eu desejo a sua. Desejaria te ver semana passada, desejei ontem, desejo hoje e amanhã e depois de amanhã… Quero um pouco de ti todo dia!
       Diferente porque nunca havia sentido isso antes. Ciúmes. Só de ouvir teu nome em bocas estranhas eu já sinto isto.
       Diferente porque nunca vi uma garota com coração tão dócil domar as feras em mim com tamanha facilidade.
       É diferente porque eu nunca senti que o mundo todo me abraçava quando eu recebia o teu abraço.

       É diferente, porque os médicos por ai me diagnosticariam com amnésia, visto que a falta de lembranças assim não seria normal.
    Ainda assim prefiro acreditar que é algo diferente e, ao mesmo tempo, lindo crescendo aqui dentro de mim.
    Eu prefiro me automedicar com o fogo desta paixão.

    “Se isso não é amor, o que mais pode ser?”

    28.12.2016

    AUTOR:
    HONORATO, Sandro.

    OBS.:  Apenas espero que você possa ler isso….

    Veja também esses posts relacionados:

    OutrosPoesia

    Café amargo

    dezembro 24, 2016 • Honorato, Sandro
    Café amargo

      Hoje eu tentei escrever sobre você sem chorar e encharquei umas três folhas com minhas lágrimas e não sei fechar esta maldita torneira em meus olhos.
    Descobri que gostar muito de alguém a ponto de estar realmente apaixonado ao menos uma vez na vida não significa que aquela pessoa vai sentir o mesmo. Ao contrário me aconteceu.
    Quanto mais eu me apaixono por você menos você gosta de mim. Quanto mais eu me aproximo mais distante ficamos. Quanto mais eu tento curar as feridas no seu peito maior fica o buraco em minha alma.
      Mas eu sei onde errei.
      Ausentei-me quando você precisava de companhia de corpo presente e não este cara aqui via whatsapp ou te ligando enchendo o saco.
    Você desejava um tempo para pôr a sua vida em ordem, mas eu cheguei de “voadora” destruindo tudo que estava em seus planos.
    Você merecia um cara ousado que lhe conquistasse dia-após-dia e não eu, enrolado, tímido, palhaço e quantos adjetivos bestas forem necessários para me descrever.
    Dei-lhe poesias num mundo nada romântico quando você precisava de um Amor igual aqueles que escrevo.

      Por isso, venho por meio deste texto pedir perdão por tudo que fiz a ti de ruim.
    De bom, peço que guarde na sua memória e neste coração lindo que você tem porque também lhe prometo que não desistirei de você.
    Não desistirei de provar os teus lábios, ou de fazer dos teus braços meu cobertor nas noites gélidas, ou do seu sorriso na cama me desejando um “bom dia” sem precisar falar uma palavra sequer.
      Não desistirei tão fácil de ter um espaço maior na prateleira do seu coração e na sua vida.
      Não vou cansar até adoçar o café que deixei passar do ponto e amargou.

    23.12.2016


    AUTOR:
    HONORATO, Sandro.

    Veja também esses posts relacionados:

    OutrosPoesia

    A arte de desistir

    dezembro 09, 2016 • Honorato, Sandro
    Olá,

    Como vão?
    Hoje venho deixar com vocês um texto que fiz recentemente. Bem recente mesmo!
    Dedico a uma garota especial que espero que não se ausente mais da minha vida.
    Espero que um dia vocês também tenham alguém “que valha a pena desistir”
    Abraços a todos.
    A arte de desistir
    Meu bem,
    Não julgue o texto a seguir pelo título assim como as pessoas julgam o livro pela capa.

    Não sei escrever como gostaria mas, vou jogar umas palavras nesta folha e ver no que vai dar.

    Sabe quando tu acorda e não reclama por ser uma segunda-feira? Assim que eu acordo você me vem à mente. Você é minha inspiração para levantar da cama.

    Ah, e aí começo a lembrar de você… o que falar do seu sorriso?
    Eu posso ter uma risada engraçada, tosca, enjoativa e outros adjetivos, mas este seu sorriso…
    Eles me convidam a pecar e beijar tua boca.
    Falando nisso, você não tem noção quão doce são teus lábios. Sabe aqueles gostos que te lembram dos momentos bons da infância? É algo assim. Os provando eu volto ao passado procurando, em vão, algo parecido. É inútil. Você é única.
    O mundo lá fora pode estar em dilúvio, mas olha, nada será maior que a enxurrada de beijos que eu vou lhe dar hoje.
    Seu olhar penetrante é capaz de olhar o fundo de minha alma e ver que o meu sentimento é o mais puro possível. Até os Anjos sentiriam inveja de nossa inocência.
    Amo passar a mão em tuas curvas e saber que você é real e não mais um sonho deste cara que se diz poeta.
    Adoro tocar seus cabelos lisos enquanto você faz do meu peito uma almofada e do meu coração sua eterna moradia enquanto cochila.
    Por isso, eu aprendi a ceder.
    Não vale a pena resistir ao prazer.
    Não nego mais que você está em cada verso dos meus poemas.
    Não quero mais fingir que está tudo bem se na maioria do tempo você está longe, deixando-me com metade de mim.
    Abdico das minhas coisas fúteis e caras por esta paixão sem preço.
    Desisto das minhas paixões imaginárias pelo amor real.
    Exercito aqui a minha habilidade de desistir para abandonar 7 bilhões de pessoas no mundo e me dedicar somente a ti.
    Para me dedicar a você.
    Para sempre, na vida ou na morte.

    AUTOR:
    HONORATO, Sandro.

    Veja também esses posts relacionados:

    MúsicaOutros

    Honorato`s Songs #54

    novembro 26, 2016 • Honorato, Sandro

    Bom dia,
    Como vão?
    Hoje vou postar uma música romântica da dupla sertaneja Maiara e Maraisa, alguém já ouviu aqui?
    Abraços e bom final de semana a todos.

    Maiara e Maraisa- Medo Bobo

    Ah, esse tom de voz eu reconheço
    Mistura de medo e desejo
    Tô aplaudindo a sua coragem de me ligar

    Eu pensei que só tava alimentando
    Uma loucura da minha cabeça
    Mas quando ouvi sua voz, respirei aliviado

    Tanto amor guardado tanto tempo
    A gente se prendendo à toa
    Por conta de outra pessoa
    Só dá pra saber se acontecer

    É, e na hora que eu te beijei
    Foi melhor do que eu imaginei
    Se eu soubesse tinha feito antes
    No fundo sempre fomos bons amantes

    E na hora que eu te beijei
    Foi melhor do que eu imaginei
    Se eu soubesse tinha feito antes
    No fundo sempre fomos bons amantes
    No fundo sempre fomos bons amantes
    É o fim daquele medo bobo

    Tanto amor guardado tanto tempo
    A gente se prendendo à toa
    Por conta de outra pessoa
    Só dá pra saber se acontecer

    É, e na hora que eu te beijei
    Foi melhor do que eu imaginei
    Se eu soubesse tinha feito antes
    No fundo sempre fomos bons amantes

    E na hora que eu te beijei
    Foi melhor do que eu imaginei
    Se eu soubesse tinha feito antes
    No fundo sempre fomos bons amantes
    No fundo sempre fomos bons amantes
    É o fim daquele medo bobo

    É o fim daquele medo bobo.

    Veja também esses posts relacionados:

    MúsicaOutrosPoesia

    Aquelas Despedidas

    novembro 18, 2016 • Honorato, Sandro

    Aquelas
    Despedidas
    (Por favor, leia o
    texto com o vídeo abaixo como som de fundo. Você entenderá melhor
    cada verso).

    Nunca fui bom em
    dizer o que sinto ao falar.
    Sou um lixo em
    matéria de oratória.
    Só sei escrever
    nesta vida e você ainda ousa reclamar que não escrevo para ti.
    Não se via em
    nenhum dos meus textos?
    Muitos foram
    sobre você.
    Este é para
    você.

    Nunca fui bom em
    fazer planos a dois.
    Sou egoísta pra
    caralho
    e se eu tenho uma meta eu vou atrás por conta
    própria esquecendo e atropelando tudo e todos.
    Eu tinha planos
    para nós dois.
    Mas a vida é muito
    louca eu estraguei tudo. Outro te conquistou e estou aqui digitando e
    chorando.
    Digitando e
    chorando.
    Digitando e…

    Nunca fui um bom
    amigo.
    Você me pedia para
    virar a noite em nossas conversas,  mas eu durmo cedo.
    Você implorava
    atenção e eu deixando o celular de lado para assistir aquele anime,
    aquele jogo.
    Você me pedia
    informações e eu te jogava elas em forma de pistas, sempre
    esperando que você as encontrasse. E como uma boa detetive você
    encontrou.
    Você encontrou em
    alguém o que nunca fui: um amigo de verdade.
    Um amigo que lhe
    abrace esmagando, mas aquele abraço confortável ao mesmo tempo. Um
    amigo que lhe beije adoçando a vida. Um amigo de coração aberto
    lhe dando as boas-vindas dizendo “pode entrar, a casa é sua para
    sempre…”

    Nunca fui bom em
    nada.
    Mas você descobriu
    o melhor de mim. Olhe os meus textos depois que te conheci? Cada dia
    estou mais sincero. Cada verso mais vivo. Cada poesia mais
    apaixonante.
    Isso. Encontrei a
    palavra para descrevê-la. Apaixonante.
    Qual pessoa em sã
    consciência e solteira não se apaixonaria por ti? Talvez, até as
    pessoas enroladas em outros relacionamentos te contemplem quando
    você desfila nas ruas.

    Nunca fui bom em
    mentir.
    Quando eu minto, eu
    abaixo a cabeça.
    Mas ainda estou de
    cabeça erguida para escrever sobre o quanto te amei.
    Está certo falar
    este verbo no passado? Ainda não né?
    Na verdade, não sei
    o que tínhamos, mas era o que eu achava que era Amor.
    Uma vez escrevi que
    Amor era quando gostar de algo ou alguém transcende os tais limites
    de gostar. Amor não se explicar, apenas se sente.
    Eu só sentia que
    amava.
    Eu ainda te amo
    Mas Amor também é
    deixar o outro ser feliz e não necessariamente contigo e chegamos
    nesta parte.

    Nunca fui bom em
    despedidas.
    Apesar de ser o cara
    das brincadeiras, o cara das risadas altas e sem controle eu também
    sei chorar. Acha que os palhaços se fantasiam assim por que?
    Precisam esconder tuas lágrimas em maquiagens enquanto na superfície
    eles arrancam sorrisos e fingem felicidade.
    Deixe-me chorar
    nesta despedida sem minha maquiagem.
    Sempre que precisar
    é só mandar aquela mensagem no whatsapp.
    Sempre verei suas
    fotos e torcerei para que tudo esteja indo bem.
    Sempre haverá algo
    de ti no meu coração.

    Sempre ouvirei esta
    música que está na trilha sonora desta triste carta (apertou
    o
    play como eu disse não
    foi?)
    e lembrarei da nossa música.
    Mas a Taylor é
    linda, maravilhosa e talentosa e teve seu último beijo. E eu, feio,
    inútil e metido a escritor só posso te dar um último poema.

    O poema de despedida
    é sempre o mais lindo não acha?

    AUTOR:
    HONORATO, Sandro.

    Veja também esses posts relacionados:

    1 2 3 8
    instagram