• Categorias

  • "Transbordando sentimentos puros em palavras"

    Categoria: Samyle S.

    Samyle S.Textos

    Fins do mundo

    julho 19, 2017 • Honorato, Sandro
    Era 2012.
    O dia em que os Maias previram que o mundo iria acabar.
    Você se reuniu com amigos,fizeram uma decoração especial, guloseimas, até playlist temática.
    Na hora marcada há não sei quantos séculos atrás, vocês comemoram.
    Sobrevivemos a mais um.
    Assim, leve, divertido. Mal sabia você que a vida iria ser uma sequência de
    “fins do mundo” que chegam sem pedir licença, te desmoronam, marcam uma era.
    Pesados, sisudos, mas necessários.
    Agora, quando o choro sai fácil, suas obrigações se amontoam sem que você tenha o menor interesse em cumpri-las e “ensimesmar” se tornou quase um sinônimo para o seu
    nome, você se entrega. Não dá mais para colocar a sujeira pra debaixo do tapete.
    Carrego nos ombros apenas duas décadas de vida, e já tá pesado.
    Tralha acumulada que só me impede de andar em frente.
    Assim, descobri que não tem nada demais em parar a vida um pouco pra olhar pra dentro.
    Ver o que anda incomodando, como também o que tem feito falta. Ajustar
    prioridades e respeitar meus limites, ciente de que esse processo é contínuo – já
    que a vida não para e a gente muda muito ao longo do trajeto.
    Admito que é assustador. Encarar tópicos que a gente deixou de lado quase que a vida
    inteira, por medo de não saber aonde isso nos levará. Fins de relacionamentos, amizades,
    visões de mundo – no fundo, sabemos sim. É que ignorar é mais fácil. A verdade
    é que o fim do mundo não é essa festa com os amigos, mesmo que acabe tudo bem.  A gente sempre encontra resistência por preferir respeitar a si mesmo em vez de fazer o que esperam de nós.
    É ato de rebeldia contra nossa inércia natural.

    Veja também esses posts relacionados:

    Samyle S.Textos

    Fins do mundo

    julho 19, 2017 • Honorato, Sandro
    Era 2012.
    O dia em que os Maias previram que o mundo iria acabar.
    Você se reuniu com amigos,fizeram uma decoração especial, guloseimas, até playlist temática.
    Na hora marcada há não sei quantos séculos atrás, vocês comemoram.
    Sobrevivemos a mais um.
    Assim, leve, divertido. Mal sabia você que a vida iria ser uma sequência de
    “fins do mundo” que chegam sem pedir licença, te desmoronam, marcam uma era.
    Pesados, sisudos, mas necessários.
    Agora, quando o choro sai fácil, suas obrigações se amontoam sem que você tenha o menor interesse em cumpri-las e “ensimesmar” se tornou quase um sinônimo para o seu
    nome, você se entrega. Não dá mais para colocar a sujeira pra debaixo do tapete.
    Carrego nos ombros apenas duas décadas de vida, e já tá pesado.
    Tralha acumulada que só me impede de andar em frente.
    Assim, descobri que não tem nada demais em parar a vida um pouco pra olhar pra dentro.
    Ver o que anda incomodando, como também o que tem feito falta. Ajustar
    prioridades e respeitar meus limites, ciente de que esse processo é contínuo – já
    que a vida não para e a gente muda muito ao longo do trajeto.
    Admito que é assustador. Encarar tópicos que a gente deixou de lado quase que a vida
    inteira, por medo de não saber aonde isso nos levará. Fins de relacionamentos, amizades,
    visões de mundo – no fundo, sabemos sim. É que ignorar é mais fácil. A verdade
    é que o fim do mundo não é essa festa com os amigos, mesmo que acabe tudo bem.  A gente sempre encontra resistência por preferir respeitar a si mesmo em vez de fazer o que esperam de nós.
    É ato de rebeldia contra nossa inércia natural.

    Veja também esses posts relacionados:

    Samyle S.Textos

    Lucília

    julho 08, 2017 • Honorato, Sandro
    Ele sussurra teu nome aos teus ouvidos como poesia.
    Lu-cí-li-a.
    Antigo, suave aos lábios. Um quê profundo, dirias.
    Então deixas percorrer teu corpo como labirinto, momentaneamente esquecida do amanhã. E uma parte de ti até se pergunta se vai durar.
     A vida te calejou um pouco. O medo de ser esquecida nos recantos do dia a dia está aqui, latente em cada milímetro da tua pele. Ele não percebe, ainda. Não te conheces.
    Vê a mulher forte que te tornastes, como a vida te sorriu. O produto de anos, lapidado. Que, mesmo assim, está insegura em querer demais, esperar demais, se decepcionar demais.
    Quer deixar pra lá, bem sei.
    Tão habituada a ser só.

    Sossega,
    Lucília. Esqueces que não precisas dele pra ser feliz.

    Veja também esses posts relacionados:

    Samyle S.Textos
    Você virou acara pra mim dia desses.  Pela primeira vez.
    E a única coisa que pude pensar foi em como nós poderíamos evitar de se esbarrar por aí daqui em diante.  Não posso culpá-lo.
    Até hoje não entendo como pôde se manter interessado em mim por tanto
    tempo. Não entendo como você encontrou alguém e mesmo assim teimava em me olhar
    com tanto carinho. Um carinho tímido, sim, mas que me constrangia pela
    intensidade. O seu olhar equivalia a um abraço.
    Esses dias tenho preenchido meus pensamentos com os mais diversos pedidos de desculpas que
    nunca darei. O pudor não me permite. Por isso escrevo. Alivia, ainda que pouco,
    esse sentimento de culpa. Não que eu tenha te enganado até aqui, acho que
    sempre fui bastante sincera. Mas não gosto de como as coisas culminaram em você
    me evitando. É estranho perder esse olhar de quem me via melhor do que sou.
    Se pudesse, gostaria de te dizer que eu não sou uma página em branco. Se o fosse, de bom
    grado deixaria você me rabiscar por inteira, certa de que faria um bom
    trabalho. É raro encontrar alguém com um coração tão grande que transborda às vistas
    de todos. Eu o deixaria entrar em minha vida sem rodeios, ainda que para bagunçá-la
    ou pô-la em ordem. Mas cada um sabe os por quês que carrega no peito, e o meu é
    prenome que ainda não se arquivou no passado.

    Veja também esses posts relacionados:

    Samyle S.Textos

    Em prosa

    junho 10, 2017 • Honorato, Sandro
    Você anda coma boca em prosa ultimamente. Esse seu jeito retraído, tão característico, dá lugar aos poucos a uma desenvoltura que você não se acreditava capaz. Andar só tem suas vantagens. Quem diria, não é mesmo? Há um tempo atrás você tinha amigos para a vida inteira. Hoje se descobre um tanto carente de atenção.
    A vida pega a gente de surpresa. Até ontem você sabia de tudo.  Nos mínimos detalhes, plano de vida
    milimetricamente traçado. E hoje você ri dos imprevistos, aprendendo à força a
    ter jogo de cintura. Está se perdoando mais por não poder fazer tudo, e isso é
    bom. Está saindo melhor do que o planejado, garanto-lhe.
    Há certas coisas que ficam, contudo. Seus passos, já tão apressados, aceleraram-se pela falta de tempo. O silêncios de olhos inquietos, as mensagens longas de quem parece ter nascido em outra época, essa vontade de ter o mundo inteiro num abraço só. É apenas o corpo o limite. A fadiga da caminhada, o sono que exige
    repouso. Você tá provando da vida adulta ainda, e já partilha do lamento da sua geração.
    E apesar dos pesares, diz que se encontrou. Que está exatamente onde deveria estar. O coração transborda.  A vida está só começando e você mal pode esperar.

    Receber um convite para voltar a escrever depois de três anos parada foi uma surpresa. Não pude deixar de sorrir de lado a lado por saber que, embora tenha se passado tanto tempo, alguém ainda lembrava com tanto carinho dos meus textos que queria me ver escrevendo de novo. Meus rabiscos amadores tinham tocado alguém a esse ponto. Aceitei com a certeza de que teria um enorme desafio pela frente, mas muito grata pela oportunidade.
    Esse sentimento aumentou ainda mais quando uma outra leitora querida entrou em contato comigo essa semana. Soube que estava no caminho certo. Demorei mais de duas semanas para escrever meu texto de estreia. Espero não ter decepcionado. Ele me surpreendeu, se querem saber. Para quem só escreve peças
    de processos há meses, e quase não tem tempo de ler outra coisa que não seja livros para faculdade, saber que não perdi o jeito foi maravilhoso. Para quem tem curiosidade, alguns textos antigos meus estão aqui.
    Meu nome é Samyle, prazer. Vou escrever aqui quinzenalmente a partir de hoje. Espero que gostem.

    Veja também esses posts relacionados:

    OutrosSamyle S.Textos

    Ontem ouvi alguém dizer que um simples bom-dia pode fazer milagres no ânimo das pessoas. Meti-me à pensar. Lembrei-me de todas as vezes em que estava desanimada e alguém veio me cumprimentar sorrindo; imediatamente sorri de volta e senti uma pitada de alegria.
    Culpa desse meu reflexo absurdo que não consegue destratar o próprio Hitler se ele for gentil comigo. Brincadeiras à parte, cheguei a esta conclusão: eu só acho que educação requer educação, gentileza requer gentileza; este é um ciclo vicioso no qual não vejo problema algum.
    Pena que nem todo mundo é assim. Tenho uma colega, por exemplo, que já foi uma grande amiga, mas a sua antipatia a isolou do mundo. Quase ninguém gosta dela e quem tenta se aproximar é recebido com arrogância e indiferença. Nem sempre é assim, é verdade; há uns dias milagrosos em que está de bom humor. Mas ela é a prova viva de que cumprimentos não funcionam com todo mundo.
    A partir desse contraste, percebi que felicidade depende da disposição de cada um. No meu caso, alegria pega. É inegável que sou dramática, quem lê meus textos logo percebe, minha colega também o é. A nossa grande diferença é que não me deixo dominar por este defeito. Eu sei usá-lo à meu favor quando escrevo, no dia-a-dia tento ser tolerante.
    Acho que isso vem dando certo, pois me considero uma pessoa feliz. Talvez a felicidade só venha para quem está de braços abertos para recebê-la, afinal, não há como passar através de uma porta trancada. Tampouco, não há como ser feliz quando se opta pela melancolia.

    Samyle S.

    Veja também esses posts relacionados:

    1 2 3 7
    instagram