• Categorias

  • "Transbordando sentimentos puros em palavras"

    OutrosOutros AutoresTextos

    BOA NOITE, PESSOAL!
    Hoje estou chegando um pouco mais tarde. Mas trago uma ótima matéria sobre o anime Death Note e as mensagens subliminares contidas nele!

    A simbologia por trás de Death Note 


    Tenho a certeza que todos os fãs de Death Note já se aperceberam do grande relevo que esta obra dá à simbologia, principalmente cristã. Tal para mim não era óbvio no início, contudo, às tantas, comecei a dar-me conta da enorme carga de símbolos presente no anime (não li a manga, mas como sei que a história não difere em quase nada – talvez a manga tenha poucos pormenores a mais que o anime – arrisco-me a dizer que o mesmo se passa na banda desenhada). Pensei, reflecti e pesquisei no “Dicionário dos Símbolos”, de Jean Chevalier e Alain Gheerbrant, cujas transcrições estão marcadas com um asterisco, e, com a ajuda dos meus irmãos e do meu amigo João, tirei conclusões, que passo a apresentar de seguida, acompanhadas de imagens da série.

    É fundamental frisar que, apesar de parte deste registo corresponder ao que é explicitamente mostrado em Death Note, algumas destas anotações são probabilidades/hipóteses ou pontos de vista pessoais.

    – Rosa – Segundo abertura (What’s Up People?!) – A rosa é, na iconografia cristã (…) o cálice que recolhe o sangue de Cristo (…)*

    Misa aparece deitada sobre rosas, misturando-se com elas; ela é o suporte de Light e, sem a sua colaboração, ele não poderia atingir os seus objectivos tão facilmente. Entenda-se aqui que Light é o deus do novo mundo (Deus na Terra = Cristo). Deste modo, Misa recolhe o sangue de Light (ela sente na pele as consequências das ambições dele, embora tenha admitido que a única maneira de estar feliz era a seu lado, fazendo tudo o que estivesse ao seu alcance para o fazer feliz também);

    – Rosa azul – Segunda abertura (What’s Up People?!) – Uma rosa azul seria o símbolo do impossível.*

    É impossível para Light ser Cristo/Deus na Terra – não só é pecador, como possui um poder limitado quando utiliza o Death Note (atributos que são negados a uma entidade superior) – tal como o é a sua ambição (o facto de alguma vez poder construir um mundo perfeito);

    – Número 13 – Episódio 25 – Aparece quando se faz referência à regra falsa do Death Note, inventada por Ryuk: Se o dono do Death Note não matar dentro de 13 dias, depois ter lá escrito o nome de alguém, ele morre; Episódio 37 – Enquanto procuram por Light, Matsuda, Aizawa, Ide e Mogi reúnem-se ao pé do armazém nº 13 – Desde a antiguidade que o número 13 tem sido considerado como de mau agoiro. (…) Na última refeição de Cristo com os seus apóstolos, a Última Ceia, os presentes eram treze. A Cabala enumerava 13 espíritos do mal. O 13º capítulo do Apocalipse é o do Anticristo e da Besta. (…) De uma forma geral, este número corresponde a um recomeço, com este matiz pejorativo de que se trata mais de refazer qualquer coisa do que de renascer.*

    No episódio 25 e 37, o número 13, cuja significação é atribuída ao mau agoiro e à morte (lembre-se que a carta de Tarot A Morte é o décimo terceiro Arcano Maior), surge pouco tempo antes de L falecer (ele já tinha ficado intrigado com esta regra do Death Note) e de Light morrer, respectivamente. Além disso, apesar de Light se considerar o deus do novo mundo, ele, no fundo, acaba por se revelar um Anticristo, pois trata-se de alguém que se opõe a Jesus Cristo em relação ao modo como faz o Bem e que, segundo a tradição Cristã, dominará o mundo nos últimos dias, antes que Cristo regresse pela segunda vez. Pode dizer-se que, em Death Note, o número 13 corresponde a um recomeço, que se trata mais de refazer qualquer coisa do que de renascer pois, logo após a morte do L, Light, ressuscitado, volta a agir em liberdade, como Kira, e, assim que Light morre, pressupõe-se não um surgimento de um novo mundo, mas sim uma reconstrucção do mesmo, isto é, uma mudança gradual, no sentido de se viver sem Kira;

    – Corvo – Primeiro encerramento (Alumina) e segunda abertura (What’s Up. People?!) – Parece concluir-se de um estudo comparativo de costumes e crenças de numerosos povos que o simbolismo do corvo só recentemente adquiriu o seu aspecto puramente negativo (…) É considerado, com efeito, nos sonhos, como uma figura de mau agoiro, ligado ao medo da infelicidade. (…) no Japão, ele é (…) um mensageiro divino (…) Símbolo da perspicácia, no «Génesis» (8,7), é ele que vai verificar se a terra começa, após o dilúvio, a reaparecer por cima das águas (…) na Grécia (…) acreditava-se que eram dotados de poder de conjurar a má sorte. O corvo aparece muitas vezes nas lendas célticas onde desempenha um papel profético. (…) Ele seria também um símbolo da solidão, ou melhor, do isolamento voluntário daquele que decidiu viver num plano superior. (…) guia das almas na sua última viagem, pois, sendo psicopompo, ele penetra, sem se perder, o segredo das trevas.*

    Remetendo a simbologia do corvo para Death Note, a sua ligação à infelicidade e ao poder de trazer má sorte poderá estar relacionada com o aviso que Ryuk fez a Light assim que este começou a aperceber-se do poder que tinha nas mãos: para aquele que utilizasse o “Death Note”, só podia ser esperado um final trágico. Ainda assim, Light comporta-se, de facto, como um mensageiro divino (alguém enviado por Deus para fazer Justiça), dotado de grande perspicácia (ele, afinal, é um génio), que vive num plano superior, a que só ele pertence (tem mais poder que todos os que estão à sua volta, decidindo, assim, qual o seu destino). Esta ideia de possuir um poder divino e superior é transmitida por imagens da Zetsubou Billy: ele passa pelos automóveis sem sofrer qualquer dano e caminha numa direcção oposta à de todas as pessoas;

    – Maçã – Aberturas (The World e What’s Up, People?!), primeiro encerramento (Alumina) e ao longo da série – Trata-se (…) duma forma de conhecimento, mas que é ora o fruto da Árvore da Vida, ora o da árvore da Ciência do bem e do mal: conhecimento unificador que confere a imortalidade, ou conhecimento separador, que provoca a «queda». (…) «comer a maçã significa (…) abusar da sua inteligência para conhecer o mal, da sua sensibilidade para o desejar, da sua liberdade para o fazer.(…)»*

    A imagem da maçã, aparecida tantas vezes, ilustra a grandiosidade da sabedoria de Light que, mal utilizada, traz consequências irreversíveis (mais uma vez, alusão ao seu final trágico – a sua morte). Ao ser dono do Death Note, acede ao conhecimento separador, que provoca a «queda»). Light trinca a maçã em The World, ou seja, abusa da sua inteligência para conhecer o mal, da sua sensibilidade para o desejar (em vez de se restringir à eliminação daqueles que causam o caos e a desordem, deseja suprimir também os que se lhe opõem, dado que são pessoas que negam a existência de Kira como deus), da sua liberdade para o fazer (liberdade construída com base em esquemas mentais que é capaz de elaborar graças à inteligência que tem e que lhe permitem escapar aos golpes dos inimigos). Contudo, durante a série, Light oferece as maçãs a Ryuk, que as come – o Shinigami conhece, deseja e faz o mal, só que de uma forma mais discreta do que Light, isto é, divertindo-se com a tragédia que tem o seu início assim que Light se assume como dono do Death Note.

    A cena de Light a estender uma maçã a Ryuk, em The World, pode ser associada à famosa pintura de Miguel Ângelo, A Criação Do Homem, que se encontra representada na abóbada da Capela Sistina, em Roma. Em Death Note, pode dar-se outro significado: Ryuk, o Shinigami, encontra-se por cima de Light, representando o papel de Deus, pois Ryuk criou Kira, que é Light. Na sua mão, encontra-se uma maçã, provavelmente um símbolo de oferenda por parte de Light por Ryuk o ter transformado num deus;

    – Cruz – Primeira e segunda aberturas (The World e What’s Up, People?!, respectivamente) e segundo encerramento (Zetsubou Billy) – A cruz possui também o valor dum símbolo ascensional. (…) A tradição cristã enriqueceu prodigiosamente o simbolismo da cruz, condensando nesta imagem a história da salvação e da paixão do Salvador. A cruz simboliza o Crucificado, o Cristo, o Salvador, o Verbo, a segunda pessoa da Trindade.*

    Light ascende cada vez mais, deduzindo-se que a sua queda será bastante grande, o que acaba por se confirmar (em Zetsubou Billy, Light está a subir num elevador, até que, no final da música, aparece como que derrotado, entendido no chão, num estado de choque/aflição). Ele é o crucificado (arrisca a sua segurança, e até a vida, pelo Bem no mundo), o cristo (deus na Terra, como já foi referido anteriormente) e o salvador (o indicado para fazer Justiça e construir um mundo melhor);

    Imagem da The World:

    – Sinos (som dos) – Episódio 25 – L, durante o episódio inteiro, diz que ouve o barulho dos sinos – (…) o Cânone budista pali compara as «vozes» divinas com o «som de um sino de ouro». (…) Mas o barulho dos sinos (…) tem universalmente um poder de exorcismo e de purificação: afasta as más influências, ou pelo menos avisa da sua aproximação. (…) A campainha (…) simboliza o chamamento divino, em todo o caso uma comunicação entre o céu e a terra. (…) o sino tem também o poder de entrar em relação com o mundo subterrâneo.*

    Após ouvir o som dos sinos durante algum tempo, L morre. A ligação entre este barulho e a aproximação da morte é algo que muitas vezes é demonstrado em anime (como, por exemplo, em Shinigami no Ballad);

    – Lua cheia – Primeira abertura (The World) e ao longo da série – Antes de mais nada, convém lembrar que a lua influencia fortemente o ser humano. Passando do geral para o concreto, a lua cheia (ou seja, quando está totalmente radiante e cheia de luz) simboliza a realização dos projectos (surge, muitas vezes, quando Light triunfa numa determinada situação).

    Curiosa é a última imagem da lua na série: em vez de aparecer cheia, está no quarto minguante, o que pode significar que a era de Kira acabou, que os seus planos terminaram;

    – Naomi com Raye Penber nos braços – Primeira abertura (The World) – Imagem alusiva à Pietá de Miguel Ângelo;

    – Traição – Na Bíblia, Judas trai Jesus e, por causa disso, Ele acaba por ser Crucificado. Este facto pode ser comparado a Death Note, na medida em que é devido à traição de Mikami (o facto de ter matado Takada sem ordens para isso) que Near acaba por descobrir o verdadeiro Death Note e, assim, ficar por cima de Light;

    – Portões dourados – Segundo encerramento (Zetsubou Billy) – Podem ser vistos como os Portões para o Paraíso porque ser deus é o principal objectivo de Light;

    – L limpa os pés a Light – Episódio 25 – A cerimónia do lava pés, contada na Bíblia, tem lugar antes da Última Ceia, e é quando Jesus lava os pés aos seus discípulos, como sinal de humildade e de honra para com eles. Em Death Note, L limpa os pés a Light, pouco tempo antes da sua morte: apesar de aqui o papel de Cristo ser desempenhado por L, tal não é inconveniente, pois, ao agir assim perante Light, L mostra respeito e admiração por alguém que ele, no fundo, admite ser superior a ele.

    Antes de finalizar, gostaria de dar a entender que todas as palavras que citei ao longo do post têm uma simbologia muito mais abrangente do que a indicada. O que se coloca aqui em questão é o facto de não fazer sentido indicar significações que não estivessem de acordo com a possível finalidade em Death Note de mostrar e fazer referência a determinados símbolos.

    Galera, como fica melhor explicado se a gente ver as imagens, aqui está o link da matéria original: http://nippon-anima.blogspot.com.br/2012/02/simbologia-por-tras-de-death-note.html

    Veja também esses posts relacionados:

    Comente com o Facebook

    Deixe seu comentário

    1 Comentário

  • Ideia Substancial
    26 maio 2014

    Oi querido, interessante o post, pra dizer a verdade, esses desenhos não são muito bem vistos no nosso meio, justamente por ter tantas simbologias, mas achei show vc explicar. Bjooo

  • instagram